Consultora sexual revela que todas as mulheres podem ejacular

Especialista explica como ocorre a ejaculação nas mulheres, algo que acontece com menos de 5% delas

A ejaculação feminina é um dos temas mais controversos da sexualidade. Enquanto muitas mulheres dizem ejacular com relativa facilidade, outras fazem de tudo para conseguir sem sucesso. Muita gente acha que a ejaculação feminina não existe e não passa de uma lubrificação vaginal. O fato é que a ejaculação feminina ocorre para menos de 5% das mulheres em algum momento de sua vida sexual.

O que muitos não sabem é que a mulher ejacula durante o ato sexual em forma de jato, no qual pode ser confundido com urina. Além disso, ela ocorre quando a mulher tem orgasmo, ou seja, ela sente um grande prazer e libera um líquido viscoso e incolor, sem cheiro e conhecido como ejaculação.

Diferentemente do homem, na mulher este líquido pode ser levemente adocicado ou inodoro, sai da uretra e é produzida pelas glândulas Skene, como é chamada a próstata feminina. Estas glândulas são responsáveis por liberar o líquido que representa a ejaculação durante o contato íntimo.

Segundo Fabiane Dell’ Antônio, fisioterapeuta e consultora sexual, o líquido ejaculado não tem relação com a lubrificação vaginal. “A lubrificação ocorre antes do orgasmo e é produzida pelas glândulas de Bartholin. Enquanto que a ejaculação acontece no clímax do contato íntimo e o líquido é liberado através do canal da uretra pelas glândulas de Skene”, revela.

O que muitas já sabem é que todas as mulheres podem ter orgasmos, mas o que poucas sabem é que nem todas as mulheres têm a capacidade fisiológica de ter uma ejaculação, o que pode também variar muito, pois, algumas podem ter uma quantidade excessiva de líquido, o que pode até prejudicar o prazer do casal. Isso ocorre porque o excesso deste líquido atrapalha a sensibilidade na hora de sentir a fricção do pênis nas paredes vaginais e na região do ponto G.
Como ocorre

A ejaculação ocorre após a mulher atingir um grau de excitação com sensações de prazer, assim haverá contrações rítmicas dos músculos do assoalho pélvico que pressionam a uretra e as glândulas locais, estas por sua vez, liberam este líquido com pressão. Deste modo, as glândulas de Skene são estimuladas e liberam a ejaculação para o canal vaginal durante o orgasmo.

“São poucas as mulheres que ejaculam, e isto não qualifica a atuação a mulher na cama, afinal muitas mulheres sentem prazer e são consideradas “boas de cama” e não ejaculam”, completa Fabiane.

Nas mulheres que conseguem ejacular é possível se observar algumas características como músculos do assoalho pélvico fortalecidos, experiência sexual, emocionalmente relaxadas e descontraídas, dona de si, confortável com a situação e parceiro(a), sentem intimidade com a situação e muito prazer.

Leia também