Curso gratuito: saúde íntima

Médicos e enfermeiros da Universidade Positivo ensinam profissionais de depilação a identificarem DSTs e sinais de violência contra a mulher

Ato frequente na agenda das brasileiras, a depilação faz parte da cultura do país, tanto por motivos climáticos, quanto por preferências sexuais. Segundo dados de uma pesquisa realizada pelo Ambulatório de Estudos em Sexualidade Humana da Universidade de São Paulo, que entrevistou mais de 52 mil brasileiras, apenas 2,65% das mulheres preferem não realizar nenhum tipo de depilação. Com essa relevância e abrangência, a profissional que realiza a depilação acaba se tornando íntima das clientes, ganhando abertura para abordar temas que outros teriam maior dificuldade.

Observando essa oportunidade, o curso de Medicina da Universidade Positivo (UP) criou o programa “Depiladora Amiga”, que visa capacitar as profissionais com informações a respeito de sintomas de DSTs e identificação de sinais de violência contra a mulher. Com isso, as depiladoras podem estimular suas clientes a realizarem consultas, exames preventivos ou até denúncias. “Graças ao vínculo com suas pacientes, a depiladora tem um grande potencial e pode se tornar uma promotora de saúde, por meio de orientações e percepções diferentes”, afirma Andressa Gulin, professora de Saúde da Família da UP e idealizadora do projeto.

Uma das novas abordagens do projeto é a orientação sobre depilação em gestantes e em adolescentes. Segundo Andressa, a procura de depilação íntima por adolescentes está cada vez mais comum no início da vida sexual e, muitas vezes, elas procuram a depiladora antes mesmo do ginecologista ou dos pais. “Nesses casos, a profissional pode aproveitar o contato com a cliente adolescente para orientar sobre a ida ao médico ou sobre os métodos de proteção”, diz. Outro ponto ressaltado pela professora é o controle do HPV. “As lesões clínicas mais comuns ocorrem na vulva, vagina, ânus e pênis e o profissional de depilação é um dos que mais vê essas regiões dos pacientes. Com orientação adequada ele pode ajudar a identificar os sintomas”, explica.

Na 4ª edição do projeto, marcada para o dia 2 de outubro – início do Outubro Rosa -, as depiladoras participantes serão orientadas por médicos e enfermeiros sobre anatomia, lesões em região inguinal, fluxograma em unidades de saúde, técnicas de depilação, equipamentos de proteção, informações sanitárias, como identificar sinais de violência contra a mulher e como encaminhar clientes para atendimento nas unidades. “A prevenção é o melhor e mais seguro caminho para manter a saúde, principalmente das mulheres, que têm alta incidência de doenças como câncer de mama e de colo de útero, por exemplo”, explica Andressa.

O evento é aberto a todas as depiladoras interessadas e será realizado na Universidade Positivo – Praça Osório. As inscrições devem ser feitas por meio do formulário disponível no site até o preenchimento das vagas. O custo é um pacote de absorvente feminino, que será doado a uma instituição que atende mulheres em situação de vulnerabilidade social.

Serviço

Depiladora Amiga

Data: 2 de outubro

Hora: 8h30 às 12h

Local: Universidade Positivo – Unidade Praça Osório | Praça Galeria Osório, 125 – Centro, Curitiba

Leia também